fbpx

“Um pouco de morte cada dia”

“Seremos feitos de tal massa que precisaremos tomar diariamente pequenas doses de morte, sob pena de não conseguirmos cumprir a missão de viver?”

Encontro esta questão em “Orlando”, de Virgina Woolf, e lembro-me de um sonho que tive há uns anos em que alguém me dizia a estranha frase “Toma um pouco de morte cada dia”.
Agora entendo, ou volto a entender.
Há trabalhos que temos de deixar, há relações que têm de acabar, há pontos de apoio que se tornaram cargas e que é preciso soltar.
Quando nos agarramos demasiado ao que já não é vital começamos a morrer em vida, a nossa existência intoxica-se.
As “pequenas doses de morte” é aquilo que nos mantém vivos na vida, é o que nos permite “cumprir a missão de viver”.

Deixe um comentário

Información básica sobre protección de datos Ver más

  • Responsable Vera Sofia Palma Paulino.
  • Finalidad  Moderar los comentarios. Responder las consultas.
  • Legitimación Tu consentimiento.
  • Destinatarios  Ptisp.
  • Derechos Acceder, rectificar y suprimir los datos.
  • Información Adicional Puedes consultar la información detallada en la Política de Privacidad.

Esta web utiliza cookies. Puedes ver más información sobre esto en el enlace. Si continuas navegando, estás aceptándolas.    Ver
Privacidad